quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Tokyo in motion

Two videos I found from day 3, when I went around Harajuku. The first was filmed at the entrance of Kiddy Land, the toy store, and the second was at the Tamagoshi store in Takeshita Street.
Everything is like this in Tokyo... so much fun!!

---

Dois vídeos que encontrei no meu computador, do terceiro dia no Japão, quando fui passear por Harajuku. O primeiro foi gravado na entrada da Kiddy Land, a loja de brinquedos, e o segundo na loja do Tamagoshi, que fica na Takeshita Street.
Tudo em Tóquio é assim... adoro!!!





quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Tokyo Diaries - Day 5

Back in Tokyo, I spent my Sunday walking around cute little streets around Shibuya and Harajuku. Tokyo is an incredibly big city, but when walking on the small streets that leads to the big avenues, it seems that you are transported to a small town on the country side of Japan. A nice sensation that I had when I arrived in Tokyo, together with the fact that the city is quiet, believe it or not. Those small streets are practically empty, narrow, with no sidewalks, and full of residential buildings and occasional hidden stores. Oh, and tons of hair dressers. Tokyo is FULL of beauty salons everywhere you go, it is funny.

We started with Muji Café (Yes! Muji has a coffee shop in Tokyo, can you believe it?), a cozy and warm place perfect for a Sunday brunch, which sells Muji food (what?), Muji drinks and Muji everything food related. There is a beautiful bread selection just at the entrance of the store, and a chandelier made of bottles illuminating the place. The tables are placed in front of a salad bar. Although everything looks delicious, I've heard it is nothing impressive. I didn't try any food, but a very surprising tangerine juice. A juice that turned out to be a jelly drink! Very surprising but interesting texture, and of course I had fun with it. I think it is worth a visit for the place and packaging of Muji products.

Walking through the neighbourhood of Aoyama, we stopped at an incense shop, a favourite of Rodrigo's, which was a discovered by a friend that once lived in Tokyo. Lisn has the most exquisite incenses I've ever smelled. I've never been a fan of incense, but I got crazy with Lisn' selection, one smell more sophisticated than the other. They were displayed separately in one of the corners of the shop, a very beautiful photography exhibition on the Japanese artist Takaya with his flower and vegetables headpieces. This type of work is called "Hanayuishi", considered to be a form of art in Japan.

Walking in the direction of our restaurant, we've encountered a "fake church", very famous and coveted by young Japanese couples. As we know, in Japan everything is a little different, but as every culture, they have their own ways of celebrating marriage and doing ceremonies. Well, there are some couples who want to get married like we westerners do. Church, white dress and all. This might have something to do with their obsession about other things western as well, such as our eyes (a lot of women in Tokyo have eye operation, to open the eye and look more caucasian), our different hair and eye colour, France and french people, among other little things. These "fake churches" have usually a very European style and an actor or a judge as a priest. Some wealthy families do two ceremonies, the western and the traditional one. I think that is awesome, you can have two parties and be whoever you'd like to be on that day, and of course, dress the part. Every wedding shop I've passed by until now have only strapless wedding gowns on the windows, something I would have expected already.

We had lunch on a restaurant which operates on an old bath house, called Maisen. The entrance is very nice, very traditional Japanese, with a wooden balcony and posters full of ideograms on the walls. We sat on a bigger room inside the restaurant, which had really big celling, and I figured that was the actual bathing area. I ordered a Katsudon, which came with a rice bowl topped with fried pork with egg on top. Delicious! And on the set I had soup and some nice vegetable nibbles to make everything better. And of course, a lovely iced tea which only the Japanese can make.
Since I've arrived in Japan, I had so much rice it is incredible I didn't feel sick of it, it only makes me want more! Yes, rice with everything!!!!

The restaurant was hidden in one of those small streets I spoke about on the beginning of this post, and had another surprise some yards afar. Rodrigo took me to one of his favourite coffee shops here in Tokyo, called Lattest Omotesando Expresso Bar. The coffee shop is run by two friends with cool style and knowledge of the grains. The place is incredibly cozy and cute, with simple decoration and nice atmosphere. Flower arrangements hanged from the ceiling and put in details around the room, and some sneakers were being sold in one corner next to the door. A good way to sell your first collection as a struggling young designer! I ordered a beautiful Caramel Lattest, which came on a shot cup with my name (with 'y' but that doesn't matter, it was made for me obviously), and looked like a piece of art on how the caramel, the coffee and the milk mixed together. And the taste… oh the taste. It was heavens with caramel, probably the best caramel coffee I've ever tasted. And I love caramel, I'm crazy about it, everything with caramel please (Oh, rice and caramel??? Maybe is good, I'll never know until I try it!). Not the best coffee, because Coffee Ten-Irukaya (which I spoke about on this post) was the best of my life, but a totally different taste. This was good and fun, and the taste lasted long in my mouth.

As I love coffee, we went to another coffee shop almost on the same road, wanting to continue the coffee tasting, and we stopped at Omotesando Koffee  a little hidden gem of Harajuku. The entrance is a little confusing, you don't know if it's a garden, a house or a coffee shop, but as soon as you go in, a small patio awaits you, this time full of people holding their coffee cups and talking in groups. Sliding the doors to the coffee shop, which consist in one room and a bar, you notice that you are inside of a traditional Japanese house, where the room is the main living room. A very stylish guy receives us, and I order a Ice Capuccino, which was served to me on a plastic cup, with a straw, some bubbles and chocolate powdered on top. Super good and refreshing, and with great coffee. Again, totally different taste from Lattest, but really well made and tasty.

With our cups in hand, we took the tube to Tokyo Station, heading to Bakufu Ohno's exhibition on fish illustration at Tokyo Station Gallery. The exhibition was on fish and sea life illustration, all more or less from the 19th and middle 20th Century, and perfectly done in an almost scientific way. Other artists apart from Bakufu were being displayed, and my favourite pieces were the lobsters by Chisato Sugiura, amazing colours. The gallery's shop is really good, with interesting pieces from around the world.

After the exhibition we went to the Imperial Palace, which was one of my very touristy things to do. To get to the place of interest, we walked through a garden with very well maintained and trimmed trees (all in a funny and cool shape) that surrounded the moat surrounding the Palace grounds. The place of interest is a place where you can see a little piece corner of one of the buildings of the Palace, across a beautiful bridge. Nothing overwhelming, but it feels nice to see a piece of the Emperor's house. Maybe that building is not a residential one, but we can imagine that it is so and that the Emperor is looking at us from his bedroom window!
And on the other side of the garden, the skyscrapers surround the Palace grounds showcasing a beautiful modern Tokyo view, which I learned to love since I arrived.

For dinner, we chose Nabezo  a shabu shabu restaurant, a similar type of food to the Chinese hot pot. On your table, you have a small stove with a saucepan full of water (nice water with a special sauce, which is the secret of every restaurant), and while the water is in the stove, you go to a buffet to chose what you'll put in your pan. There are tons of types of mushrooms, Japanese pasta, vegetables, tofu and potatoes for you to chose from. When you've chosen everything, you can start putting on your pan for it to cook. Oh, and they also give you two trays of very thin pork and steak for you to put in the water as well. It is super fun and delicious, it was a great dinner.

A great Sunday full of gastronomic discoveries, just the way I like it!
x


---


De volta a Tóquio, passei o domingo andando e descobrindo lugares fofos em Shibuya e Harajuku. Tóquio é uma cidade incrivelmente grande, mas ao entrar em uma das ruelas que cortam as grandes avenidas, você parece ser transportado imediatamente para uma cidade do interior, andando em ruas estreitas praticamente vazias, sem calçada e com prédios residenciais pequenos, e algumas lojinhas escondidas por aí. Foi uma sensação gostosa que tive da cidade logo que cheguei (junto com a percepção de o quão silenciosa é Tóquio, por íncrível que pareça).


Começamos com o café da Muji, loja famosa no mundo inteiro com utensílios japoneses extremamente úteis e inteligentes, com design simples e prático. A Muji, sendo japonesa e adorando um cafézinho, abriu um café perto da Aoyama Dori, e é um lugar perfeito para um brunch gostoso de domingo. Dessa vez não fui comer, mas só curtir o local. Pães de todos os sabores e recheios são servidos logo na entrada da loja, que está decorada com um lustre lindo de jarras e cheia de pequenas embalagens fofas de produtos da marca.

Escolhi um suco de tangerina para tomar, e sentamos em uma mesa de madeira bem grande, onde havia espaço para muitas outras pessoas. O ambiente era bem gostoso, aconchegante e família. Meu suco acabou me surpreendendo, era na verdade uma gelatina de tangerina líquida. Sim, foi engraçado descobrir isso, mas estava gostoso. Gelatina líquida na garrafinha, quem imaginou? Claro que tinha que ser no Japão!
Além dos pães e derivados, há um bar de saladas e sanduíches perto das mesas, onde têm uma variedade interessante de comidas. Mas ouvi dizer que só aparentam ser saborosas, mas na verdade não são lá grande coisa. Acho que é um lugar legal de conhecer e curtir o ambiente, talvez para fazer isso que fiz, sentar, talvez tomar um café (que não tem como ser ruim em Tóquio) e olhar para as pessoas. Mas só as embalagens e o lugar super valem a pena uma visita.

Continuamos andando pelas ruelas perto de Aoyama, e paramos em uma loja de incenso que o Rodrigo adora, descoberta por uma amiga dele que já morou em Tóquio. A loja se chama lisn, e tem incensos deliciosos, de todos os cheiros imagináveis, mas todos sofisticados e a maioria inusitados. Eu nunca fui muito fã de incenso, mas esses eram incríveis e tive que admitir que adorei. Lá também havia uma pequena exposição de fotografias de "Hanayuishi", pelo artista Takaya. Hanayuishi é uma profissão de fazer arranjos para a cabeça com flores e plantas. Aqui no Japão essa profissão é considerada uma arte, como muitos trabalhos manuais, que todos os japoneses dominam.

Resolvemos ir almoçar e no caminho do restaurante, encontramos uma das exclusivas "igrejas de mentira", tão cobiçadas pelos jovens japoneses. Sendo de uma cultura bem diferente da ocidental, os japoneses tem costumes e cerimônias diferentes, claro. O casamento é geralmente em templos ou shrines, e os convidados usam suas melhores roupas, que geralmente são os kimonos, e a noiva uma roupa tradicional de sua região. Mas, com o contato com o ocidente, alguns japoneses querem mais e mais se parecer como nós. Muitos fazem a operação do olho (para aumentar o olho e fazer uma curvinha na pálpebra, vou falar disso em um post especial no futuro), usam lente de contato, pintam o cabelo, e entre muitas outros exemplos, se casam em cerimônias como as nossas, e isso se trata do pacote completo. Existem, como eu disse, igrejas falsas, geralmente com arquitetura gótica ou algo bem francês ou europeu, que proporcionam uma experiência bem ocidental. Mas, no caso dos japoneses, não há padre católico, e sim um ator ou juiz. E claro, os noivos se vestem a caráter, e para as mulheres os modelitos mais requisitados são os vestidos tomara que caia, o que já era de se esperar. Algumas famílias privilegiadas fazem duas cerimônias de casamento, uma tradicional e outra ocidental. Acho o máximo essa ideia, principalmente porque você tem duas festas e pode ser o "personagem" que quiser.

Fomos almoçar em um restaurante que opera em uma antiga casa de banhos tradicional, e converteu os salões de banho em restaurante. Se chama Maisen e fica lá em Harajuku. A entrada é bem legal, tradicional com um balcão de madeira. Ficamos em uma sala maior, com teto bem alto e mesas grandes. Não havia muita decoração, mas o lugar era confortável e o atendimento foi bom. Comi um tipo de Katsudon, que vinha em uma cumbuca de arroz, e o porco empanado coberto com ovo, e estava uma delícia! Com direito a sopa e mais uns petiscos para beliscar, e claro, um chá gelado delicioso. Desde que cheguei no Japão, eu tenho comido tanto arroz, que fico impressionada que ainda não enjoei! Adoro comer arroz, tudo com arroz por favor!!!

Como o restaurante ficava em uma rua escondida por aí, continuamos andando para descobrir novas lojinhas. Bom, para eu decobrir, porque o Rodrigo já conhecia e já é um insider. Tanto que me levou em um café incrível, chamado Lattest Omotesando Expresso Bar. O café foi fundado por duas amigas super alternativas e estilosas, e tem um interior bem simples, mas de bom gosto. É um ambiente jovem e acolhedor, e ao mesmo tempo que é uma cafeteria, também se faz de galeria e mini loja. Por volta do ambiente, lindos arranjos de flores foram pendurados como lustres, e alguns detalhes de flores foram espalhados por aí, todos de uma floricultura em Shibuya. Também estavam vendendo tênis de corrida no canto da sala, o que achei engraçado, mas uma boa ideia para young designers vender suas criações.

Mas agora vamos para a parte mais legal do Lattest, o café. Não é só um lugar bonitinho e cool, mas lá servem um dos melhores café que já tomei. Claro que não chega aos pés do Coffee Ten-Irukaya (que fui no meu segundo dia aqui no Japão, e postei sobre aqui), mas chega quase lá. Escolhi o Caramel Lattest, que veio em um copinho com meu nome (com y mas tá valendo!), e o jeito que o caramelo, o leite e o café se misturaram pareceu uma arte. E a arte não era só o visual, mas também o gosto. Uma maravilha, a mistura dos sabores foi deliciosa e deixou um gosto doce e longo no paladar, e com muito gostinho de quero mais.

Curtindo muito minha experiência cafeína, eu fiquei realmente com gostinho de quero mais, e acabamos resolvendo fazer uma espécie de coffee tasting e ir para outra cafeteria especializada, quase na mesma rua, chamada Omotesando Koffee. A entrada ficava escondida por trás de várias plantas, dando para um pequeno jardim onde algumas pessoas estavam sentadas conversando com seus copos de café na mão. O local era uma casa tradicional japonesa, e nos atendiam na sala principal da casa, onde havia um balcão na frente de algumas máquinas de café, gerenciadas por um japonês super estiloso. Pedi um Ice Capuccino, que veio em um copo de plástico, batido com gelo e chocolate polvilhado por cima. Bem diferente do outro que tinha acabado de tomar, mas igualmente gostoso e bem feito.


Saímos pelas ruas com nossos cafés na mão, e decidimos ir até a estação de Tóquio, onde havia uma exposição de ilustrações de peixes na Tokyo Station Gallery, do artista japonês Bakufu Ohno. Foi bem interessante, e haviam obras de outros artistas além do Bakufu. A maioria das gravuras eram pintadas a mão, e todas incrivelmente perfeitas, quase de uma maneira científica. Minhas ilustrações favoritas foram as lagostas do Chisato Sugiura. A loja da galeria era muito boa, com coisinhas super interessantes de diversas partes do mundo.

Depois da exposição, fomos em direção ao Palácio Imperial, que ainda não tinha conhecido. Andamos um pouco até chegar nos arredores do palácio, que é fechado ao público (abrem apenas dois dias ao ano, em dezembro), mas pode-se ver uma ponte e um pedaço de uma construção da residência imperial. Para chegar a este ponto, caminhamos por uma espécie de jardim em volta do fosso que rodeia o castelo e seus jardins, e árvores meticulosamente cortadas enfeitavam aquele entardecer de domingo. A vista é bem limitada, mas é satisfatório de ver alguma parte da casa do imperador. Não estou certa se aquela parte é habitada, mas podemos fazer de conta que sim.
Ao redor da área do Palácio Imperial, pode-se apreciar a modernidade e grandiosidade da cidade, com prédios enormes dominando o céu. Uma vista interessante, que passei a apreciar desde que cheguei em Tóquio.

No jantar, fomos no Nabezo, um restaurante de xabu xabu, uma espécie de "sopa com tudo". Na verdade, não tem nada a ver com sopa, mas não sei como explicar. Cada mesa possui um fogão elétrico, que esquenta uma panela cheia de água (uma água especial, com molho que geralmente é o segredo do restaurante). Você escolhe em um buffet o que quiser pôr na panela. Os ingredientes variam de diversos tipos de cogumelo e macarrões japonês, a legumes, tofu e folhas. E além disso, eles te dão duas tábuas de carne de porco e bife, cortadas bem fininhas. E aos poucos se vai colocando os ingredientes na panela para que cozinhem. Assim que estiverem prontos já se pode comer. É muito divertido, e o buffet é ilimitado. Uma delícia.

Um domingo super gostoso cheio de descobertas gastronômicas, assim como eu gosto!
x



Beverage selection at Muji Café


Cool lights


Inside Muji Café






My jelly to drink






Lisn, the incense of heavens


 The fake church


At Maisen restaurant 







My Katsudon




Happy cookies at Lattest










Made for me


Coffee art from the gods





 Doux Dimanche store, in between the two coffee shops and full of French finds


 Detalhe de almofada fofa da Doux Dimache

Entrance to Omotesando Koffee











My choice: Ice Capuccino


 On the tube


Tokyo station

The lobsters by Chisato Sugiura


Some fish by Bakufu Ohno


Modern Tokyo









The Imperial Palace




At Nabe-zu having shabu shabu