sábado, 21 de setembro de 2013

Japanese nail art diaries day 1



First nail art trial here in Japan. These are Eichi Matsunaga design, bought in a drugstore in Harajuku (the one from day 3). I simply love them, they are so much fun I can't stop looking at my hands!
And I have to say they were a huge success. Everywhere I went, people would grab my hands and say "Kawaii!!!!" (cute in japanese). If a japanese say that to you, that is a good sign, you are in the right style track!
Eichi Matsunaga is a famous manicurist here in Japan, and if you check out his tumblr you'll see all his amazing creations for celebrities or magazine covers. It's worth having a look for some nail art inspiration.
This post is dedicated to my amazing friend Luisa, Lulis, who was a pioneer of nail art in Brazil and loves nails like this since forever! Lulis, you are an inspiration to me!

---

Primeira nail art da minha temporada no Japão! Essa criação é do Eichi Matsunaga, e comprei na farmácia que vem em Harajuku (a do post do dia 3). Eu adorei essas unhas, estou me divertindo muito com elas e não consigo parar de olhar para minhas próprias mãos! E elas estão sendo um sucesso. Em qualquer lugar que vou as pessoas pegam minhas mãos e dizem "Kawaii!!!!" (fofo em japonês). E eu acho que se um japonês disser isso para você é um ótimo sinal, você está no caminho certo!
O Eichi Matsunaga é um manicure bem famoso aqui no Japão, e dando uma olhada no tumblr dele, vi que ele tem outras criações incríveis e super criativas, que ele fez para celebridades e editoriais japoneses. Vale a pena dar uma olhada para ter inspirações de nail art!
Esse post é em especial para minha querida amiga Luisa, Lulis linda, que foi uma pioneira da nail art no Brasil e a dois anos já é louca por unhas fofas como essa! Lulis você é uma inspiração para mim!







terça-feira, 17 de setembro de 2013

Japan Day 4 - Matsumoto

On my first asian weekend ever, I escaped Tokyo to go to Matsumoto, a two hour train from the japanese capital.
I was already used in traveling by train in England, where everything is relatively close, so two hours on a train felt a little too much for me, but all was forgotten by the nice view and good company, and by an awesome magazine which sold the weirdest things in the world, those types you can only find in Japan. I had lots of fun going through the pages.

Japan is a beautiful and very green country, full of mountains and incredible views. On the way, we passed through new reconstructed cities, and I hardly saw any old temple or traditional house, all due to the high number of earthquakes and natural disasters, and firebombing during the WW2. It is sad to think that so many buildings and temples were destroyed during these occasions, but that is why the japanese praise their standing monuments so much, specially Matsumoto Castle, the main attraction of the city, which still stands on its original structure, and is the oldest castle in Japan (built in 1504).

The city is very simple, with nothing really to see but the castle and the city art museum.
We first started with the castle, known by the japanese people as Matsumoto-jo. It has 6 floors, big wooden windows and is surrounded by a moat. It is beautifully tall and you can say that its main colour is black. Before entering, we were offered a free guided tour of the castle by some japanese middle aged men, that were so cute I wanted to hug them! One even spoke a little of Portuguese. Japanese are full of cuteness, even when they are older… I can't resist they are super nice all the time, and always smiling! London people, please learn with them!

We decided to go ahead on our own, and by going inside we were asked to remove our shoes, which made me happy as I love to walk bare-footed. But expecting to see furniture around the rooms, I was surprised to discover there was none. Castles in Japan weren't for residential use, but for protection. Samurai would use them to protect the city and themselves, and to reach each floor you have to use the stairs, which get steeper and steeper along the way up. And the curious thing was, old ladies were on fire climbing the stairs, and Olimpia here was quite tired at the end. Ok, it wasn't difficult for me at all, but those old ladies impressed me as they didn't show any type of tiredness! Ninja old ladies!

I enjoyed the visit to the castle very much, especially the last floor, which had a beautiful view over the city, and a nice and strong breeze to refresh the air inside. There is a legend which says a young samurai in 1618 had a vision of a well dressed woman that gave him a brocade bag and said if his master provide her with a 500g bag of rice every 26th of the month, she would protect the castle from fire and the enemy. The japanese people believe it is because of these offers that the castle survived from damage and still stands after all these years. Cute story!

Later we went to Matsumoto Museum of Art, which had a permanent exhibition in honour of the Matsumoto born artist Yayoi Kusama, famous for her countless dots. The exhibition was small but good, although it can't be compared to last year's Tate Modern Kusama's exhibition in London, which was incredible. At the Matsumoto Museum, my favourite parts were the yellow pumpkin (call it whatever you want, but that is a pumpkin for me!) and the light room.

After the museum I decided to explore the old part of the city, which consisted in one long street full of traditional souvenir shops, one cuter than the other. One of them caught my eye because it sold everything and more. They had fabrics, curtains, china, bags and paper, and as I opened the door to the store, a little old lady greeted me with the usual "Irasshaimase", with the cutest voice ever, and, obviously, I melted! Seriously, if I continue thinking everyone is mega cute, I will bankrupt myself in a week! But she was so adorable I had to buy something, so I took a postcard with something written in japanese (don't ask me what, I'm still trying to figure it out), which don't get me wrong, I really liked it.

On the same road, I found a shop selling japanese sweets, and had a beautiful garden on the side. Japanese sweets are a little doubtful, because they are most of the times made of beans, and for those who remember the taste, it can be quite funny (and not nice). But, I was really hungry and needed to trick my stomach until I found the saver combini of the day, so I chose the cheapest one, not really caring about the taste. But I was impressed of how good it was! I actually enjoyed it, and it had beans inside and all! Yes, I'm a weirdo, but at least I won't starve in Japan! Yay!

Later, on my way to the train station, I found a very peaceful and simple temple, which made me relax and watch the people coming to pray. I found temples a great place to be, especially to think. But my joyful Buddhist moment was interrupted by some heavy rain, and I had to leave and look for shelter. Combini super hero appeared on the corner of the road, giving me a place to sit, eat and write some postcards to lovely people in my life.

Back to Tokyo, we went to eat Ramen, a type of japanese pasta dish with water, meat and vegetables, at a restaurant called Ippudo, which is in Aoyama Dori. It was delicious. Apparently they have many branches, including one in New York. Definitely worth a visit!

That is it people! Another amazing day in Japan!
xx

---

No primeiro sábado asiático da minha vida (que chique), dei uma fugida de Tóquio e fui visitar Matsumoto, cidade a duas horas de trem da capital japonesa.

Já mal acostumada a andar de trem pela Inglaterra, onde tudo é relativamente perto, duas horas me pareceram bem longas para se estar em um trem, mas tudo foi esquecido devido a paisagem boa companhia. O Japão é montanhoso e possui diversas eservas naturais. O caminho foi repleto de paisagens lindas e pontes ocasionais, mas quase nenhum sinal de templos ou casas antigas. Passamos por cidades relativamente novas, reconstruídas depois de grandes terremotos ou guerras.

E ah! Pequeno detalhe da viagem de trem que me divertiu horrores. A revista do trem, atrás de cada assento, continha itens bem peculiares e que só se encontram no Japão mesmo! Como por exemplo boné com cabelo de mentira e chapéu do Indiana Jones, tudo disponível para comprar no trem! Olha isso que maravilha, como podemos viver sem isso em outros países?

Ao chegar em Matsumoto, percebi que a cidade não era muito diferente das que passamos de trem. Ruas simples com casas modernas e sem muito design, contraste grande em relação a Tóquio, com sua imensa modernidade e poderosos prédios arquitetônicos. 

Mas não estávamos em Matsumoto pela cidade, mas sim pelo castelo. Conhecido pelos japoneses por Matsumoto-jo, é um castelo de seis andares construído em 1504, e considerado um dos três castelos mais importantes to Japão. Resistiu a terremotos, maremotos e guerras, e passou apenas por duas renovações no início do séc. XIX. Assim, é uma raridade apreciada aqui no Japão, por ainda estar de pé e nas fundações originais, e é o castelo mais antigo do país.

Assim que avistei o castelo, me emocionei por ter sido o primeiro prédio totalmente japonês que vejo. Ele é escuro, alguns dizem que é preto, e bem alto. Os telhados foram o que mais me impressionou, com suas "voltinhas" na ponta e desenhos na madeira.
O castelo é rodeado por um foço, e é majestoso. 

Ao entrar na área do castelo, uns senhores vieram nos oferecer uma visita guiada, cortesia para visitantes do castelo. Um deles sabia falar um pouco de português. Eram muito fofos, como todos os japoneses, e mais uma vez quis abraçá-los de tão fofos que eram. Agradecemos e entramos sem guia mesmo.
Depois de andar pelo jardim principal até chegar ao prédio, nos pediram para tirarmos os sapatos antes de entrar. Já me animei, pois adoro andar descalça.

No castelo, fiquei impressionada com um grande detalhe: não haviam móveis. Logo em seguida descobri que castelos no Japão não eram usados como moradia, mas sim como forte de proteção pelos samurais, que se protegiam subindo andar por andar, lacrando as entradas até chegarem ao topo e estarem "seguros". Mas o quanto mais se sobe, as escadas vão ficando cada vez mais íngremes e complicadas de subir. Eu posso dizer que foi um bom exercício e talvez um "wake-up call" que preciso entrar em forma, pois haviam diversas velhinhas (e quando eu digo velhinhas no Japão, elas são velhinhas mesmo) que estavam super energéticas e subiam as escadas facilmente e sem nenhum esforço. Ok, não me custou muito, mas cansou, e cansaço não parece nem passar pelo corpo delas! Velhinhas ninja!

Gostei muito do castelo, apesar de ser praticamente vazio, as subidas foram divertidas e a brisa que vinha das grandes janelas estava gostosa, e chegar até o sexto andar deu uma boa satisfação e uma linda vista da cidade. 
Diz uma lenda que em 1618 um jovem soldado teve uma visão de uma mulher muito bem vestida, que o presenteou com uma bolsa de brocado e disse que se seu mestre a presentea-se com um saco de meio quilo de arroz na noite de cada dia 26, ela protegeria o castelo do fogo e do mau. Assim, os japoneses acreditam que foi por eles nunca terem parado de oferecer a sacola de arroz para esse "espírito" que o castelo sobreviveu todos esses anos. Achei essa história super fofa.

Descemos todos os andares de volta, e fomos para o museu da cidade, que também te outra peculiaridade: é o local de nascimento da artista Yayoi Kusama, mais conhecida por suas obras repletas de bolinhas. Yayoi fez uma colaboração ano passado com a Louis Vuitton, e teve uma imensa exposição com seus maiores trabalhos no Tate Modern em Londres, que foi realmente incrível.
No museu de Matsumoto, havia uma exposição permanente com obras e instalações da Yayoi, bem legais, mas um pouco fracas em comparação com a exposição em Londres. Curti mesmo a sala de luzes e as abóboras (pense o que quiser, mas para mim são abóboras) amarelas com bolinhas pretas. Lá fora, até um ônibus da cidade e as máquinas de bebidas eram repletas de bolinhas! Super fofos.

Depois do museu, segui pela rua tradicional da cidade entrando em todas as lojas e apreciando cada objeto. Encontrei uma cheia de tudo. Papel, porcelana, bolsas de palha e cortinas. Assim que abri a porta ouvi uma senhorinha muito fofa dizer o tradicional "Irasshaimase" (bem vindo/posso ajudar) com uma voz incrivelmente fofa. Quis MUITO abraçar ela, quanta fofura em uma velhinha só! Ela sorriu para mim, e eu sorri de volta. Tudo na loja era delicado e interessante. Acabei levando uns cartões postais com escritos em japonês (não me pergunte o que, ainda estou tentando decifrá-los). Mas sério, se eu continuar achando todos os japoneses que me atendem em loja fofos eu vou entrar em falência na primeira semana nesse país! Me ajudem! hahahaha

Nessa mesma rua encontrei uma loja de doces japoneses que tinha um jardim super bem cuidado do lado, e um restaurante no fundo. Esses doces são sempre um pouco suspeitos, porque são de feijão, parecem deliciosos mas na maioria das vezes não são. Mas como estava morrendo de fome, resolvi escolher o mais barato para comer e matar minha fome até eu encontrar um combini salvador. Além de ter uma embalagem linda, estava uma delícia! Fiquei chocada de como eu gostei do doce, e que me fez querer mais, mesmo tendo recheio de feijão. Ok, sim, eu sou estranha, mas não morro de fome no Japão!

Fui andando e encontrei um templo perto do centro da cidade, meu segundo templo aqui no Japão. Passei um bom tempo por lá, assistindo a pessoas fazerem reverência na porta, e a tocarem o sino, que fica pendurado na porta para veneração. Fiz o mesmo e curti a paz que é estar em um templo japonês. Infelizmente começou a chover e tive que me esconder em um combini, onde escrevi alguns cartões postais para pessoas queridas lindas da minha vida (em breve vocês receberão em suas casas mais um cartão postal da coleção Olimpia!).
Eu adoro mandar cartões postais para meus amigos e família, sempre que visito alguma cidade. E também adoro receber também (#ficaadica).

De volta em Tóquio, fui jantar Ramen, macarrão delicioso japonês, com um molho de sopa super especial e cheio de gostosuras dentro. Fomos no Ippudo na Aoyama Dori, mas existem várias filiais do restaurante, e parece que tem uma em Nova York! Super vale a pena provar, é uma delícia.

Encerrando mais um dia no Japão em ótimo estilo!
Beijos
xx

P.S.: Minha câmera ficou sem bateria logo depois de sair do castelo, então por favor, não reparem na mudança de qualidade das fotos, tirei com meu "maravilhoso" celular!


Train to Matsumoto




I need this NOW


Super useful, definitely



Yayoi's bus!

I promise I didn't match my skirt to the fact it was Yayoi Kusama's city! Just coincidence!

Matsumoto Castle


Cute old lady








The steepest stair of the castle




From the 6th floor


 Japa baby in dots!












Yayoi Kusama's pumpkins


Red room




My favourite room at the exhibition


Dots everywhere


Outside the museum

Matsumoto's street manhole decoration


One of Matsumoto's traditional shops




Japanese sweet store


The beans sweet!


Yummy


Love this pattern


Met at the temple






Another magazine discovery, Haco


Yakult aaaa!!

My new nails yaaaayy

Ramen


Ippudo's menu

domingo, 8 de setembro de 2013

Tokyo diaries - Day 3

For my third day in this amazing city, I chose to discover a little more of Harajuku, a place of immense inspiration for some of my editorial work. I've been longing to go there since my tween years, when I was completely obsessed with everything japanese and kawaii, typical word in Harajuku.

I woke up a little late and full of jet lag  but decided to go out and about, I got ready and prepared myself for another big day, checking Time Out before leaving for some quick ideas and places to go. I then decided to eat takoyaki, after a suggestion of a place by the website. Takoyaki is a famous street food, consisted in pastry fried balls with octopus filling. Really wanted to try that one, I saw some people eating it in the streets and it looked very appealing.


Off I went and started to walk in direction of the place, but I got lost. I walked a lot under 36 degrees sun and 100% humidity (ok, it wasn't 100%, but it felt like it believe me). After a long time, maybe 40 minutes I found civilisation again and had to stop for a quick bite in a combine, to have the saviour onigiri that would sustain my stomach until takoyaki decided to appear.


More relaxed and focused on the streets (and not on my belly and suffering) I bumped into Kiddy Land, a kid's store full of toys, gadgets and everything fun you can imagine. There were little toys that moved their heads, hair accessories, stickers, teddy bears and a whole hello kitty floor. Insane but major fun. I spend loads of time there, looking at every small item and analysing every new object.


Talking to one of the sales assistant, I was recommended a place to eat takoyaki just up the street, in Omotesando. Off I went again and finally I saw it in front of me, and ordered the original one to try. It looked so yummy but I was really disappointed because it didn't taste too yummy… I loved the octopus inside, but not the pastry that seemed too much. Well, I tried and I believe it was worth it because is the traditional youth food here in Tokyo.


I found a GAP just beside the takoyaki place, and went inside for shelter and air conditioning. But the sales assistant were so convincing that I tried some things, and really loved them. My outfit (just for fun, because it was major expensive for what it was) is bellow.

After that I found an amazing 2 floor drugstore that was begging me to go in, which I did and went crazy. So many colourful products and interesting things, it is an amazing experience, I advise anyone that is coming to Japan to go inside a drugstore and have fun. Spend some time, like I did, have a laugh, like I did as well, and try some products. I found amazing things for nail art, and bought super cute nails for me, which made me incredibly happy. Oh, and I saw colour contact lenses which almost made me cry! I want one!!!!

Going down the street I headed to La Forett, the must of shopping experience in the neighbourhood, with all cool and fancy japanese stores with lots of inspirational items. Must go place, but a little pricy. I bought a backpack there, because I was dying with my bag, it was extremely heavy with all my travel guides and girl stuff we know we need. So after that my back thanked me loads!

Later I decided to go to Takeshita Street, the most popular street in Harajuku, to explore a little more in deep the stores. They have cool feminine and colourful stores there, and loads of second hand places, but well selected ones, a little pricy but worth a visit for inspiration.

I then went to Daiso, which is a 105 yen shop, which is around 0,80 pence. Yes! Everything is 0.80 pence!!! And they have so much stuff is insane. Great place to buy the unexpected, to have a laugh again, to buy everyday things made fun by the japanese (the only people that can do that), and to stock up for some gifts.

Surviving Daiso and finally leaving the store after some time, I found a hidden street next to Takeshita Dori (dori means street in japanese), with lots of market stalls and little stores selling loads of small things like cute bandaids, panda items, backpacks, sneakers and band posters. Lots of fun to have a look at all the things, and definitely my favourite ones were the panda bandaids and the heart earplugs.

Then, the star of the day appeared. A space full of japanese photobooth, and all to make you look pretty and perfect like a model! I went crazy and decided to try one, which was "Girls Photographer". After some photos I edited my pictures with hearts, letters and kawaii stuff and got two sheets of super cool pictures, me with big eyes, smooth skin and elongated face. So much fun!!!


Later at night I had dinner in a cool place in Roppongi were you choose and pay for your food on a machine! The food wasn't so good, but the experience was lots of fun, like everything here in Japan!


So that is it! I hope you like the pictures bellow!

x



---

Para passar o terceiro dia nessa cidade maravilhosa (desculpa Rio!), escolhi ir para Harajuku. Como adoro esse bairro a muitos anos, mesmo sendo a distância, além de ter sido fonte contínua de inspiração para minhas produções editoriais, não quis atrasar a visita de maneira alguma.

Acordei um pouco tarde, ainda com um super jet leg, mas resolvi combater o sono e sair para explorar o famoso bairro, e de provar o tão famoso takoyaki, que tinha ouvido dizer ser a comida de rua mais famosa de Tóquio  Entrei no site do Time Out para ler algumas dicas de Harajuku e achei várias, e uma delas era um ótimo lugar para comer o tão famoso takoyaki (bolinhas de massa frita com recheio de polvo).

Sai de casa morta de fome a procura do tal lugar recomendado pelo Time Out. Andei pra lá, andei pra cá, me perdi por aí, me perdi mais ainda, e nada de encontrá-lo. E lembrem-se, tudo isso abaixo de um sol de 36 graus e uma humidade absurda, ou seja, não foi nada fácil. Comecei a passar um pouco mal e resolvi parar em um combini para comer um onigiri (salvação de todos os dias) que seguraria minha fome por algum tempo.
Assim pude relaxar e aproveitar um pouco, e me sinti disposta a entrar em lojas e descobrir lugares. Como já tinha ido na Takeshita Dori (dori significa rua em japonês), que é uma das ruas mais populares em Harajuku, quis explorar outros pontos do bairro que ainda eram novidade para mim.

Voltei para a Omote-sando, uma avenida bem legal em Shibuya com várias lojas, e encontrei Kiddy Land, uma loja infantil incrível, com diversos brinquedos e coisinhas indescritíveis. Acabei ficando bastante tempo por lá, descobrindo itens fofinhos e irresistíveis, especialmente objetos de papelaria, aqueles que me faziam pirar quando tinha 12 anos, e aparentemente ainda têm o mesmo efeito.

Ainda na Kiddy Land, conversei com uma das vendedoras e ela me recomendou um lugar para comer takoyaki no final da rua, bem pertinho de onde estava. Fui animada e aliviada por finalmente encontrar um lugar para satisfazer minha curiosidade, e pedi o tradicional, sem nada, só molho. Parecia lindo e super saboroso, mas fiquei um pouco desapontada com o gosto, ainda mais depois de tanta espera. Mas recomendo para quem vier para Tóquio provarem sem falta, pois faz parte do cotidiano dos jovens japoneses.
Depois de almoçar, subi a rua e entrei na loja da GAP para fugir do calor e tentar decifrar meu mapa. As vendedoras foram tão insistentes que acabei provando duas peças, que adorei. Tirei foto das escolhas, uma boa inspiração se encontrar algo mais barato por aí (estava impressionantemente caro!).

Assim que consegui me livrar das vendedoras e sair de mãos vazias de lá, encontrei uma farmácia de dois andares cheia de produtos desconhecidos que me chamavam com suas cores vívidas e embalagens curiosas. Entrei e fiquei pelo menos uma hora. Não estou brincando! Tinha tanto para ver, tentar entender e apreciar que não pude agilizar! E além do mais, estava lá para curtir e descobrir coisas inusitadas. O que obviamente aconteceu, Japão é Japão!

Produtos de clareamento, truques para deixar os olhos mais abertos, todos os tipos de cílios postiços e rímels, lentes de contato coloridas (eu piro), um trilhão de cores de sombra, blushes, cremes, máscaras de rosto e o melhor: produtos para as unhas. Mas não meros esmaltes ou removedores de esmalte, e sim purpurina para enfeitar, strass, lantejoula, e o melhor, unhas postiças com desenhos incríveis. Não sabia por onde começar a olhar e comecei a ter uma overdose de animação! Eu nunca fui de fazer nail art, mas Tóquio acordou algo em mim que me fez pirar ao encontrar tanta maravilha para as unhas. Consegui me recompor (comprando algumas unhas lindas como remédio) e fugi da loja antes que um grande estrago fosse feito.

Segui descendo a Omotesando e encontrei o La Forett, shopping ultra cool aqui de Harajuku, onde comprei uma mochila para fugir do peso da minha bolsa. Não sou a maior fã de mochilas, mas realmente não pude continuar carregando todo aquele peso na minha bolsa, então me sucumbi e comprei uma mochila de moletom cinza, simples mas fofa. Minhas costas agradeceram.

Logo depois acabei entrando na Takeshita Dori e passeando com mais calma por lá. Descobri a loja do Tamagoshi, o que me lembrar de quando tinha um e morria de medo de chegar da creche e ele ter morrido (abandonado, já que minha creche proibiu de trazermos o aparelho). Fiquei impressionada como ele evoluiu. Agora está maior, cheio de jogos, glitter (tem até como customizar o seu próprio Tamagoshi), e colorido! Dá para imaginar? Aqueles que foram da geração Tamagoshi irão me entender! E na frente da loja estava cheio de máquinas de video games do Tamagoshi, super divertidas.
Me segurei para não levar um comigo, e fui para o meu próximo destino, a Daiso, loja de 105 yen. Sim, tudo lá era 105 yen, que são mais ou menos 3 reais. E se vende de tudo, desde doces a talheres, pratos, produtos de limpeza, cadernos, toalhas… O máximo, ótimo lugar para encontrar aquele item inusitado, dar umas risadas e comprar presentinhos.

Sobrevivi a Daiso, e assim que sai da loja entrei em uma ruela no final da Takeshita (do lado do Meiji), que tinha um mercado de rua e algumas lojas cheias de entulho, vendendo besteirinhas, mochilas, sapatos e itens bem baratos, e super interessantes. Entrei em uma que vendia quase tudo de panda. Bandaid, chinelo, caneca, necessaire… de tudo! Uma fofura. Encontrei fones de ouvido de coração e bolinhas, e mais bandaids fofinhos.

Mas a grande estrela do dia estava escondida em uma saleta no final da rua do mercado. Assim que me deparei com ela não entendi o que era. Banners de 2 metros com fotos de modelos ocidentais com peles impecáveis, olhos enorme e claros e com aparência saudável e perfeita dominavam o local. Depois de 2 minutos andando por volta dos banners, descobri que escondiam máquinas de fotos. Sim! Photobooths japonesas, e uma sala cheia delas!!! Tinham diversas opções. As máquinas ofereciam me transformar em uma modelo party girl, uma menininha kawai super doce, uma jovem doce e popular, ou uma modelo linda e super cool, e sempre parecendo irresistível e linda, claro. Entrei na 'Girls Photographer', a que me pareceu menos complicada e a com mais bom gosto.
Antes de começar, me perguntaram se queria kawaii face ou cool girl face. Escolhi na tela kawaii face e me surpreendi que antes de cada clique, a máquina que dava idéias de poses e de como me mexer e expressar. Tudo isso em japonês, não me perguntem como eu entendi. Acho que era um pouco idiot proof. Assim que terminei fui editar as fotos, colocando fundos de cor, desenhinhos do lado e dizeres fofos. Estava super me divertindo, e a minha volta alunas de colégio, com seus uniformes ingleses de saia tweed, meia três quartos e blusa social, davam risadas enquanto tiravam suas fotos.
Foi bem legal, e eu simplesmente amei as fotos! Vieram duas (eba), já que é para tirar em dupla. Meus olhos aumentaram imensamente de tamanho, minha pele ficou perfeita e lisa e meu rosto afinou. Realmente me transformei em uma modelo super kawaii!

De noite fui jantar em Roppongi, em um restaurante onde não há menu de papel, mas sim uma máquina na porta do local com todas as opções de pratos para você pôr o dinheiro, escolher e pegar sua ficha e se sentar. A comida veio em 2 minutos, mas não estava muito boa. O processo é bem legal, só a comida que era meio bobinha. Mas me disseram que geralmente não é assim, só escolhemos o restaurante errado. Terei que continuar tentando!
Aqui vão algumas fotos do dia e de produtos que chamaram minha atenção. Espero que gostem!


Hair accessories at Kiddy Land

Cute toys at Kiddy Land

Cool sticker pens at Kiddy Land

Heart post its at Kiddy Land

Takoyaki

My look at GAP

Beautiful print

Drugstore nail choices

Colour contact lenses aaaah!

Tamagoshi video game machine

Cute packaging for the new Tamagoshi

The new Tamagoshi

Crepes are popular in Harajuku!

Daiso, the 105 yen shop

Colourful and cute shoe insoles at Daiso

The cutest lunch boxes I've ever seen, at Daiso

"The almost everything Panda" shop bandaids

Fun bandaids

Even more fun bandaids

More Panda

Heart earphones

Vip Gossip model look

Cherry model look

Kawaii model look

Sexy model look

Party cool model look

Ready to be photographed

Sweet!

The edition process

The result!

Lame

My eyes OMG!

HAHAHAHAHA!

Just a normal vehicle in Tokyo

Some of today's bargains!

I had to have this

And this, obviously, so much glitter it makes me cry

The food machine